Governador: “se comprovados, fatos merecem a indignação de toda a sociedade mato-grossense”

O governador Pedro Taques (PSDB) afirmou ter recebido com “surpresa” e “perplexidade” os fatos revelados pela Operação Esdras, deflagrada na manhã desta quarta-feira (27), pela Polícia Judiciária Civil.

 

A ação – fruto de investigações relativas ao esquema de escutas clandestinas operadas no Estado – resultou na prisão dos secretários de Estado de Segurança Pública, Rogers Jarbas e Justiça e Direitos Humanos, Airton Siqueira, além de outras pessoas que já fizeram parte do staff de Taques.

 

“O Governo recebeu com surpresa e perplexidade os fatos revelados pela Operação Esdras. São fatos gravíssimos que, se comprovados após o devido processo legal, merecem a indignação de toda a sociedade mato-grossense”, disse Taques, em nota encaminhada à imprensa, no final desta tarde.

 

São fatos gravíssimos que, se comprovados após o devido processo legal, merecem a indignação de toda a sociedade mato-grossense

No documento, o governador também oficializa o afastamento do coronel Airton Siqueira, que será substituído pelo também secretário Fausto de Freitas, que atualmente responde pelo Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção.

 

Segundo Taques, Freitas acumulará as duas pastas até que todos os fatos relacionados aos dois secretários presos na operação de demais ex-secretários sejam devidamente esclarecidos.

 

Ainda na nota, o governador disse que, desde que veio a tona o chamado escândalo dos grampos, tem adotado uma série de medidas para apurar os fatos denunciados.

 

“O Governo reitera que apoia desde o início as investigações sobre o que foi denominado de ‘Grampolândia Pantaneira’, tendo, entre outras medidas, instaurado um IPM (Inquérito Policial Militar), inquéritos na Polícia Judiciária Civil e sindicâncias no âmbito da CGE (Controladoria Geral do Estado) para se apurar, por exemplo, adulteração no sistema de protocolo geral do Palácio Paiaguás, conforme já manifestado em outros comunicados oficiais”.

 

Por fim, o governador pediu a união dos Poderes e da sociedade civil organizada neste momento de “dificuldades institucionais”.

 

Operação

 

A operação Esdras desbaratou o grupo acusado de montar uma estratégia para atrapalhar as investigações relacionadas aos grampos ilegais e obter a suspeição do desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça, que conduz o caso.

 

Tiveram a prisão decretada o coronel Airton Benedito Siqueira Junior, secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos; o delegado Rogers Jarbas, secretário Estado de Segurança Pública; o coronel Evandro Lesco, ex-chefe da Casa Militar; o advogado Paulo Taques, ex-chefe da Casa Civil; a personal trainer Helen Christy Carvalho Dias Lesco, esposa de Lesco; o major Michel Ferronato; o sargento João Ricardo Soler e o empresário José Marilson da Silva.

 

Os mandados foram expedidos pelo desembargador Orlando Perri, que atendeu pedido da delegada Ana Cristina Feldner.

 

Confira nota do Governo na íntegra:

 

“Diante da Operação Esdras, realizada nesta quarta-feira (27.09) por determinação do desembargador Orlando de Almeida Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, o Governo do Estado vem a púbico manifestar o que segue:

 

01) O Governo recebeu com surpresa e perplexidade os fatos revelados pela Operação Esdras. São fatos gravíssimos que, se comprovados após o devido processo legal, merecem a indignação de toda a sociedade mato-grossense.

 

02) O Governo reitera que apoia desde o início as investigações sobre o que foi denominado de ‘Grampolândia Pantaneira’, tendo, entre outras medidas, instaurado um IPM (Inquérito Policial Militar), inquéritos na Polícia Judiciária Civil e sindicâncias no âmbito da CGE (Controladoria Geral do Estado) para se apurar, por exemplo, adulteração no sistema de protocolo geral do Palácio Paiaguás, conforme já manifestado em outros comunicados oficiais.

 

03) Lembra, ainda, que remeteu ao GAECO (Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público Estadual, em outubro de 2015, a única denúncia que chegou ao conhecimento do governador sobre as supostas interceptações telefônicas ilegais. E que tal denúncia foi arquivada no mesmo mês e ano pelo GAECO.

 

04) Em relação aos dois secretários presos nesta quarta-feira, o governador Pedro Taques anuncia o afastamento do Coronel PM Airton Siqueira Junior da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, com a designação do delegado de polícia Fausto de Freitas, do Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção (GTCC), para responder pela SEJUDH, cumulativamente, até que todos os fatos relacionados aos dois ex-secretários sejam devidamente esclarecidos.

 

05) O Governo de Mato Grosso conclama os demais poderes e a sociedade civil organizada a se unirem neste momento de dificuldades institucionais, por entender que o Estado e suas instituições são maiores que os indivíduos e suas circunstâncias, e devem se manter fortes, estáveis e coesos para liderar a sociedade na superação de seus desafios, sejam eles quais forem. 

 

Cuiabá-MT, 27 de setembro de 2017.”

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA